O Start do empreendedorismo materno: A hora de voltar ao Trabalho


E a maternidade tem dessas coisas, junto com ela vem um turbilhão de emoções, aflições,
medos, angústias, indecisões e muito amor, é claro... mas calma, “crises” vem justamente para
transformar algo em nossas vidas, se está se sentindo assim, é hora de sair da zona de
conforto e repensar quais as situações te afligem.
Que a maternidade é muito romantizada todas já sabemos. Mas a verdadeira verdade é que
nosso “padecer no paraíso” começa logo após o nascimento, conferimos dedinhos dos pés, das
mãos, se enxerga, se ouve, vivemos na pele o velho ditado popular. Toda aquela preocupação
que não existia quando éramos só nós, e quem sentia eram nossas mães, vem agora como
uma tonelada de responsabilidade e privações individuais em forma de cuidados e atenção
para esse ser tão indefeso.
Sim, como poderia ser diferente? Quando damos à luz, nasce junto o maior amor do mundo, e
gostaria de saber qual amor vem desprovido de cuidados e atenção, de ficar lambendo a cria o
tempo todo. Nasce junto aquele “sexto sentido” de mãe que até os animais tem (e que nessa
fase, desperta mais forte do que nunca). Tudo junto e combinado para lidar com esse serzinho
que ainda não sabe se comunicar por palavras ou frases, e a pessoa que mais o entende é, sem
dúvida, a Mãe. A mãe parece que tem aquele chipzinho bluetooth que emparelha com o do
bebê e sente tudo, até mais do que deveria, essa intuição da mãe sobre as necessidades e
bem-estar do filho é sem dúvida nossa maior descoberta e prova de empoderamento
feminino.
Porém, contudo, entretanto... atualmente, vivemos essa mudança na estrutura familiar. As
mulheres lutaram para estar lado a lado com os homens no mercado de trabalho, não raros
casos a mulher é quem sustenta ou garante boa parte das despesas da casa, e logo ali, com 3,
4, ou algumas raras exceções aos 6 meses do nascimento precisam retomar seu trabalho e
delegar boa parte dos tão importantes primeiros anos de vida do filho para a.... ESCOLA!!!
E ai começa o dilema, qual confiar, qual pedagogia, qual alimentação, qual rotina, eles dão
amor suficiente? Dão atenção suficiente? E se chora? E se machuca? Nem estarei la!!! É, não
estará! Quantas crianças dividem a sala? E as viroses? Tem ventilação natural? É ar
condicionado? São tantas dúvidas, tanta indecisão, corações apertados, angústias... E lá vão
essas mães, com seus corações apertados, colocam na escola, tiram da escola, trocam de
escola, não se encaixam nesse sistema até que acabam chegando ao limite. Deixam o trabalho
para se dedicar exclusivamente aos filhos. Obviamente não só pela escola, a insatisfação e
falta de propósito na área de trabalho é um grande fator agravante, mas isso é para outro
papo. Pronto! Vou me apertar de grana, dispensar a faxineira, fazer comida em casa, enxugar
custos, mas vou cuidar do meu filho, vou ficar com ele esses primeiros anos e depois eu volto
para o mercado. E o que acontece? Também não era isso que estava faltando! As mães da
nossa geração não foram criadas para cuidar da casa, dos filhos sim, da casa não. Fomos
educadas a estudar, nos capacitar para desenvolver nossos potenciais, ganhar nosso dinheiro e
ser “independente”, muitas de nós não aprendemos nem cozinhar, o serviço da casa seria
dividido entre a família, obviamente, visto que todos são envolvidos na bagunça e sujeira.
Nada mais justo! Mas enquanto as crianças são pequenas inevitavelmente a sobrecarga sobra
para a mulher.
Enfim, mulheres da nossa geração querem produzir, querem trabalhar, querem desenvolver
seus potenciais, seus propósitos. Se seu dom for cuidar da casa e dos filhos estarão felizes e
plenas assim, se for trabalhar fora e deixar o filho na escola estarão felizes e plenas assim, mas

se não for nenhum dos dois o que resta? Qual o meio termo que as mães estão recorrendo
para permanecer presente na vida dos filhos, desenvolver seus talentos plenamente e ainda
ganhar uma graninha? O Empreendedorismo Materno!!! Sim!!! Benvindas ao mundo real (e
nada fácil) do empreendedorismo... e da maternidade. Se você é uma mãe empreendedora
está de Parabéns! Duas missões lindas, desafiadoras, cheias de amor e propósito, força e fé,
paixão e empoderamento! Você pode mais!!